sexta-feira, 25 de maio de 2018


Expresso 666

Contos sobrenaturais, de suspense e de terror


Olá amigos, excelente sexta-feira a todos nós.
Interessado em participar de antologia de terror, a Andross Editora recebe contos para o “Expresso 666”, organização de Alex Mir até dia 31 de maio, com lançamento do livro no dia 06 de outubro.


Sinopse: 
Desde sempre os que fazem o mal são condenados ao tormento eterno. A grande locomotiva sobrenatural é a responsável por levar almas maléficas para aquele lugar angustiante que muitos chamam de Inferno. O problema não é a viagem de ida. O que preocupa é o que o Expresso 666 traz quando volta para cá.

Regulamento e mais informações no site:        

quinta-feira, 24 de maio de 2018


Erros mais comuns nas 
redações de vestibulares

Excelente quinta-feira a todos nós.
Hoje na coluna Dicas da Língua Portuguesa, alguns exemplos de erros mais comuns cometidos em provas de vestibulares, em concursos, são erros na escrita que acontecem diariamente.
Acompanhe as dicas:


-Gírias na modalidade escrita:
Quando estamos com nossos amigos ou familiares, é compreensível que optemos por uma maneira mais dinâmica e descontraída para nos comunicarmos, sendo assim, o uso de gírias é absolutamente adequado para a situação. Contudo, na modalidade escrita, é importante que a norma culta da língua portuguesa seja preservada, pois é exigida em Vestibulares, concursos e no próprio serviço.
Os registros da oralidade e gírias mais encontrados nas redações dos candidatos são: “né”, “daí”, “tipo assim”, “tá ligado”, “cara”, entre outros que podem diminuir e muito a nota final de seu texto;

-Rebuscamento linguístico:
Muitas pessoas confundem norma culta da língua com rebuscamento linguístico, erro que leva o candidato a adotar termos que nem ele mesmo conhece. Opte por palavras e construções simples para não correr o risco de ser mal interpretado;

-Coesão textual e frases longas:
Fique atento à construção dos períodos e, sempre que necessário, pontue seu texto. Frases longas comprometem a coesão e também a coerência da redação, por isso, opte por frases mais objetivas;


-Generalizações e senso comum:
Em redações como as do Enem, que pedem do candidato uma proposta de intervenção para o tema, cair na armadilha das generalizações e do senso comum pode ser fatal.
Infelizmente esse é um dos erros mais frequentes, responsável por esvaziar os sentidos da redação e torná-la apenas mais uma entre tantas outras. Evite ou seja cuidadoso ao usar palavras como “único”, “sempre”, “todos”, “jamais”, “maioria”, “minoria”, entre outras que podem contribuir para a construção de generalizações indevidas;

-Conjunções:
Muitos candidatos iniciam o parágrafo final de uma redação (momento em que a conclusão ou proposta de intervenção se apresenta) utilizando a conjunção adversativa “contudo”. Ora, se ela é uma conjunção adversativa, quer dizer que ela indica oposição a algo dito anteriormente, ou seja, é como se, ao finalizar seu texto, você estivesse “desdizendo” o que afirmou antes.
Nesse caso, as conjunções mais adequadas são as conjunções conclusivas “portanto”, “logo”, “desse modo”, “por conseguinte” ou “assim”. 

quarta-feira, 23 de maio de 2018


Centro de Línguas: oportunidade para aprender um novo idioma

Olá amigos, boa quarta-feira, meio da semana a todos nós, reles mortais!
A postagem de hoje, que divulguei no mural da empresa,  achei interessante colocar também aqui na página.


Estudantes da rede estadual de ensino têm a oportunidade de aprender um novo idioma com o Centro de Estudo de Línguas (CEL). As unidades de ensino disponibilizam cursos de inglês, espanhol, francês, alemão, italiano e japonês, conforme a demanda de cada região. O centro acolhe 58.381 estudantes da rede estadual paulista, nas 198 unidades espalhadas pelo Estado. As línguas mais procuradas são espanhol, com 37.044 matriculados, e inglês, com 11.858 alunos.
O acesso aos cursos é gratuito. Podem se inscrever alunos do ensino fundamental, ensino médio ou Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Saiba mais:

terça-feira, 22 de maio de 2018


A restauração de um marco da história da nossa língua

Olá amigos, excelente terça-feira a todos nós.
Hoje minha postagem está por conta da restauração de um importante equipamento da capital paulista, o Museu da Língua Portuguesa. Acompanhe as informações:
  
Falado por mais de 250 milhões de pessoas e língua oficial de nove países, em quatro continentes, o nosso idioma merece ser lembrado e valorizado continuamente. Como exemplo dessa valorização, um dos espaços mais queridos aos paulistanos, o Museu da Língua Portuguesa, tragicamente destruído por um incêndio em dezembro de 2015, está sendo restaurado com o apoio e patrocínio de diversas empresas, uma delas a Sabesp.


Primeiro museu do mundo inteiramente dedicado a um idioma, a conclusão de suas obras e sua reinauguração é prevista já para 2019, no segundo semestre. Mas, para mantê-lo próximo da população mesmo durante os trabalhos de recuperação, foram realizadas, entre os dias 3 e 5 de maio, atividades como oficinas, aulas, visitas guiadas com escolas, contação de histórias, shows e várias outras.

Museu da Língua Portuguesa

Valorizar a diversidade da língua portuguesa, celebrá-la como elemento fundamental e fundador da cultura e aproximá-la dos falantes do idioma em todo o mundo. Foi com esses objetivos que nasceu o Museu da Língua Portuguesa.
A inauguração aconteceu no dia 20 de março de 2006. O local escolhido para abrigar o Museu foi a Estação da Luz, situada no coração de São Paulo – cidade com a maior população de falantes de português do mundo – e de importância histórica para a capital paulista e para o Brasil. A Estação era um dos principais pontos de passagem dos imigrantes que chegavam ao país e, até hoje, é um espaço dinâmico de contato e convivência entre várias culturas e classes sociais, abrigando sotaques vindos de todas as partes do Brasil.


Em quase 10 anos de funcionamento, o Museu da Língua Portuguesa recebeu 3.931.040 visitantes, que viveram a experiência de se conectar ainda mais com o idioma, suas origens, sua história, suas influências e as formas que ele assume no cotidiano da população.
De 2006 a 2015, foram mais de 30 exposições temporárias, além de cursos, palestras, debates e apresentações artísticas. Entre os homenageados com exposições, escritores como Clarice Lispector, Machado de Assis, Cora Coralina, Fernando Pessoa, Oswald de Andrade, Jorge Amado, Rubem Braga, Guimarães Rosa, Agustina Bessa-Luís e Gilberto Freyre, além do cantor e compositor Cazuza.
Atualmente, o Museu está fechado para reconstrução.


O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Tem, como patrocinador máster, a EDP; como patrocinadores, o Grupo Globo, o Grupo Itaú e Sabesp; e o apoio do Governo Federal, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A Organização Social de Cultura IDBrasil Cultura, Educação e Esporte é a responsável pela gestão do Museu.  

segunda-feira, 21 de maio de 2018


Tempo
Poesia de Bernadete Bernardo

Olá amigos, bom início de semana a todos nós.
No Cantinho da Poesia desta segunda destaco a poesia “Tempo”, de minha amiga Bernadete Bernardo.
Espero que gostem, abraços,
Míriam
   


Sou de outro tempo,
mas procuro me acostumar
com o novo.
Resistência, nesse sentido,
penso que não serve
pra muita coisa.
Se tudo muda,
também posso!


sábado, 19 de maio de 2018


Virada Cultural 2018


Olá amigos, neste final de semana, entre os dias 19 e 20 acontece a 14ª edição da Virada Cultural 2018 em vários pontos da capital paulista.  
O evento conta com programação recheada e gratuita em 24h ininterruptas de festa. Seguindo a tendência do ano passado, as atrações acontecem além do centro da cidade, e espalham-se por todas as zonas da capital.
Pesquisei e por ser vasta a programação, destaco dois links: São Paulo Guia da Semana e G1 que tem tudo: shows, locais de exposições, onde comer etc.

Guia da Semana:

G1:

sexta-feira, 18 de maio de 2018


Sala dos Professores
Cia Elevador de Teatro Panorâmico

Bom dia amigos, excelente sexta-feira a todos nós, estou de plantão imprensa neste final de semana, tomara que não dê nada.
Pensando em se divertir na faixa? Veja a dica cultural do final de semana no SESI Santos.


Sala dos Professores, da Cia Elevador de Teatro Panorâmico retrata com acidez e humor os contratempos de rotina escolar e o desafio de ser professor.
Em cartaz no SESI Santos, nos dias 18 e 19 de maio, às 20 horas com entrada gratuita e não recomendado para menores de 16 anos.
Em um tradicional colégio particular, professores atordoados utilizam a hora do intervalo para desabafar e compartilhar impressões sobre suas vidas pessoais e os desafios da rotina escolar. Em meio à revolta com a falta de reconhecimento e as imposições da sociedade mantenedora que administra o colégio, um jogo de revelações promete desencadear uma série de desventuras.
Além de retratar o dia a dia conturbado das escolas brasileiras, Sala dos Professores instiga o público a refletir sobre como o sistema atual transforma o ensino em um produto manipulado e vendido por quem o controla. Criada em 2000, a Cia Elevador de Teatro Panorâmico é um núcleo de investigação em linguagem teatral que retrata a desconstrução da realidade e a procura por si mesmo.


Tragicomédia, Adulto, 80 min
Texto inédito: Leonardo Cortez | Direção: Marcelo Lazzaratto | Elenco: Carolina Fabri, Marina Vieira, Pedro Haddad, Rodrigo Spina, Wallyson Mota, Laís Marques e Leonardo Cortez | Designer gráfico: Fernando Bergamini | Trilha sonora, sonoplastia e música original: Rafael Zenorini | Figurino e cenário: Luciana Bueno | Iluminação: Marcelo Lazzaretto | Fotos: João Caldas | Produção: Anayan Moretto | Realização: Cia Elevador de Teatro Panorâmico.

Serviço:
Sala dos Professores da Cia Elevador de Teatro Panorâmico
Quando: dias 18 e 19/05 – 20 horas
Local: SESI Santos – Av. Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria
Mais informações: (13) 3209-8210
Entrada gratuita – estacionamento gratuito no local 

quinta-feira, 17 de maio de 2018


Dicas da Língua Portuguesa
Erros gramaticais no trabalho

Bom dia amigos, hoje é quinta-feira e dia da coluna Dicas da Língua Portuguesa.
Na sequência de erros mais comuns no trabalho, pesquisei com colegas do serviço e perguntei as dificuldades na redação, então, seguem algumas dicas gramaticais.
Espero que sejam úteis. Abraços,
Míriam

Uso da Crase: A crase nada mais é do que a fusão da preposição “a” com o artigo “a”. O A só levará o sinal se houver a obrigatoriedade da preposição e do artigo ao mesmo tempo: Os alunos vão à escola. (Quem vai, vai A algum lugar, e o substantivo escola pede o artigo A, portanto, ocorrerá o fenômeno da fusão dos dois “As”).

Emprego da vírgula: A vírgula não é um sinal gráfico que pode ser empregado aleatoriamente dentro de um texto. Quando mal empregada, ela pode ocasionar alterações de sentido, comprometendo a inteligibilidade e a compreensão de sua redação. Existem algumas situações em que seu uso é obrigatório: na existência de um vocativo, aposto explicativo, quando o predicativo está deslocado na frase, entre outras. Uma leitura cuidadosa do seu texto poderá indicar a necessidade – ou não – do uso da vírgula.



- Mas x mais: Duelo desnecessário, mesmo porque é fácil identificar quando cada um dos termos em questão deve ser utilizado. Emprega-se o “mas” quando houver relação de oposição e contrariedade.
O “mais” deve ser utilizado como advérbio de intensidade: Eu gostaria de viajar mais vezes, mas tenho pouco tempo e pouco dinheiro. (Mas = contrariedade/oposição e mais = advérbio de intensidade).

Aonde x onde “aonde” deve ser utilizado com os verbos que indicam movimento e que exigem a preposição “a”, enquanto “onde” expressa ideia de lugar fixo. Aonde os alunos foram? Onde eles gostam de estar, na escola!

 - Palavras homônimas: Chamamos de homônimas as palavras que apresentam a mesma estrutura fonológica, os mesmos fonemas, a mesma acentuação e ainda assim apresentam significados completamente divergentes! São Francisco de Assis e Santa Clara são os santos mais populares da Itália.

- Mim x Eu: “mim” não poderá ser utilizado para cumprir a função de sujeito, mesmo porque mim não faz nada, muito menos antes de um verbo! Nesse caso, empregue o pronome pessoal do caso reto “eu” e acerte na mosca! Bons estudos! 

Fonte: UOL educação e dicionário houaiss

quarta-feira, 16 de maio de 2018


"Frankenstein", de Mary Shelley, completa 200 anos 

A clássica obra de Mary Shelley completa 200 anos. Publicada originariamente em 1818, quando a autora tinha 20 anos, a Criatura ou O Monstro ficou maior do que a obra, sendo interpretado por diferentes faces no cinema e na televisão.
A obra, que mistura elementos de terror de ficção científica, foi criação de uma aposta na casa do poeta inglês Lord Byron, em junho de 1816, que lançou o desafio ao grupo de amigos: Mary Godwin (mais tarde Mary Shelley), John Polidori, Percy Shelley e Claire Clermont.
Um ano e meio mais tarde, em janeiro de 1818, a obra seria publicada sob o nome de Frankenstein, marco da literatura de horror e uma das obras inaugurais da ficção científica.
Para comemorar a data, o selo Via Leitura, da Editora Edipro, traz uma nova edição da obra.

O Monstro no cinema e na televisão

Obcecado pela ideia de criar vida por meio da ciência, então vivendo um florescimento sem precedentes, Victor Frankenstein, o médico, gera uma criatura grotesca que, dotada de força e crueldade descomunais, foge de seu controle. Desde então, gerações se renderam ao fascínio sombrio da criatura e dos dilemas de sua mente torturada.


O monstro em diferentes faces: da esquerda para a direita, começando na coluna de cima: Boris Karloff, Robert De Niro, Rory Kinnear, Aaron Eckhart, Peter Boyle e Shuler Hensley.
  
Fonte: foto e legenda: gaucha livros 

terça-feira, 15 de maio de 2018


Tom Zé completa 80 anos e ganha exposição em São Paulo

Os amantes da multiplicidade de Tom Zé podem comemorar. Em 2018, ele completa 80 anos – bem vividos – e por isso ganhou a exposição “Tom Zé 80 anos”, trazida direto da Bahia, e que celebra a vida e obra de um dos maiores cantores e compositores brasileiros.
A mostra, idealizada pela também cantora e amiga pessoal do artista, Bete Calligaris, reúne obras gráficas, digitais e interativas que visitam toda a trajetória do artista baiano. Além disso, conta com músicas, fotos, textos e depoimentos que foram traduzidos e transformados em instalações especialmente para a exposição. Seguindo a linha artística do homenageado, as obras expostas também abusam da multiplicidade de meios e linguagens.


Serviço:
Exposição “Tom Zé 80 anos”
Quando: até dia 20 de maio
Local: Caixa Cultural São Paulo – Praça da Sé, 111, Centro
Horário: de terça a domingo, das 9h às 19h
Entrada franca
Mais informações: (11) 3321-4400

 Fonte: Glamurama